SPRINK – 50 ANOS DE HISTÓRIA

A SPRINK, certamente, é uma empresa criada por Inspiração Divina, destinada a introduzir e impulsionar a segurança de incêndio e do Trabalho no Brasil, servindo de paradigma para todo o segmento de mercado que se criou a seguir.

A história da SPRINK confunde-se com a dos modernos Corpos de Bombeiros Militares que se seguiram as iniciativas dos fundadores da SPRINK e que, atualmente, protegem a vida e o patrimônio dos brasileiros.

A providência começou a intervir um ano antes de seus três fundadores se conhecerem.

O candidato a Oficial Bombeiro, Maurice Ortiz, ainda com dezessete anos, não pode ingressar na Academia de Oficiais por não possuir a altura mínima exigida, tendo que voltar a candidatar-se no ano seguinte, quando então prestou novo concurso e, assim, pode tornar-se companheiro de seus dois futuros amigos e sócios: – José Albucacys e Hugo Panno.

Incorporados, o destino mais uma vez interviu para juntá-los. Para melhor organização, a regra era que aqueles que se sentassem juntos no primeiro dia de almoço, deveriam continuar mantendo a mesma ordem nos demais dias e refeições. Eis que naquela primeira e aleatória formação de comensais, um colega que estudara no ginásio com Maurice pede-lhe para trocar de posição, indo este sentar-se justamente com Albucacys e Panno criando, a partir de então, a vitoriosa parceria.

Naqueles tempos, o Corpo de Bombeiros, pioneira, centenária e conceituadíssima instituição vivia dias de incertezas e dificuldades, porque a Capital da Federação havia sido transferida para Brasília e quase a totalidade de seus integrantes haviam optado por seguirem para a nova Capital com medo de perderem a segurança do pagamento de seus vencimentos pelo Governo Federal.

Os novos integrantes da Corporação, Cadetes e Recrutas, tinham logo de partir para o combate ao fogo e salvamentos, mesmo com poucas instruções, devido a insuficiência de instrutores, obtendo o conhecimento diretamente na luta contra as adversidades.

O Corpo de Bombeiros, reconhecido pela sua eficácia, até então era uma entidade eminentemente combativa com insignificante atuação preventiva. – Sem um Código de Prevenção e vivendo uma época de inúmeros e grandes incêndios.

Maurice, Panno e Albucacys, desde o início, formaram um grupo de companheiros de estudo destacando-se entre seus pares pela inteligência, ousadia e coesão. Certa vez, ainda no primeiro ano de Academia, estudando os regulamentos da Corporação verificaram que existia na Organização um Quadro para Engenheiros, nunca preenchido; decidiram, então, que quando se tornassem oficiais iram se formar em Engenharia e tornar a Corporação mais preventiva. Só que havia um empecilho: – Naquela época não existiam Faculdades à noite e durante o dia eles prestavam expediente o dia inteiro.

Quando receberam suas patentes de oficiais, foram separados, transferidos para quartéis diferentes, dispersando o grupo.

Mais uma vez a providência os juntou. Um grupo educacional foi ao Corpo de Bombeiros buscar a legalização para uma Faculdade de Engenharia que funcionaria à noite e, providencialmente, foi atendida pelo Tenente Panno que, prontamente, avisou seu grupo de Academia visando dar continuidade ao projeto que haviam vislumbrado quando cadetes.

Ainda estudantes de Engenharia, Maurice e Panno, davam palestras sobre prevenção de incêndio e treinamento para Brigadas Voluntárias. Albucacys cursava a Escola de Educação Física do Exercito. Era a época dos grandes e tristemente famosos incêndios Andraus, Joelma e Caixa Econômica Federal/CEF-RJ, cujos edifícios queimaram-se totalmente, com elevadas perdas de vida.

Por aquela ocasião o Governo Militar resolveu construir no Rio de Janeiro a Sede do Banco Nacional de Habitação – BNH e, como exemplo para o Mercado de Construção Civil, resolveu dotar o edifício das mais modernas técnicas preventivas, como Sprinklers e Detectores Automáticos. Entretanto, naquele momento no Brasil, só prestavam estes serviços empresas multinacionais que traziam seus projetos do exterior e cobravam preços exorbitantes que inviabilizariam a iniciativa.

Uma das empresas prestadoras de serviço na naquela construção era dirigida por um grupo de oficiais de elite das Forças Armadas, Engenheiros, que foram incumbidos de solucionar a questão.

Mais uma vez o destino interferiu. Aqueles militares foram ao Corpo de Bombeiros buscar uma solução, uma vez que a Corporação era Comandada por um Coronel do Exercito e o Serviço de Engenharia fora dirigida por um Oficial General Engenheiro do Exército.

No Corpo de Bombeiros, tomaram conhecimento que existiam jovens oficiais, estudantes de engenharia, que davam palestras sobre o assunto. – Os futuros fundadores da SPRINK foram então contratados experimentalmente.

Só em uma situação extrema, ou em uma Intervenção Divina, estudantes de engenharia seriam contratados para um projeto tão grandioso. Fez-se o projeto de um pavimento, instalaram-se os Sprinklers e os Detectores, e testaram. Tendo tudo funcionado em conformidade com as Normas Americanas-NFPA, os jovens projetistas foram contratados para o restante do projeto.

Iniciava-se naquele momento uma nova era da Engenharia no Brasil. – Seria a “Era da Prevenção Contra Incêndio, Segurança no Trabalho, Meio-Ambiente e Saúde”.

Terminada a construção do BNH, a equipe, ainda contratada por aqueles militares, foi convocada para o projeto do “Edifício Praia do Flamengo 200”, um dos maiores do Rio de Janeiro e, a seguir, para o projeto da construção do Shopping Rio Sul, o primeiro do Brasil e que, também, viria a ser o maior e mais alto edifício do País.

Já Engenheiros, alçaram vôos independentes e montaram um escritório de projetos cuja fama espalhou-se pelo país e, em Brasilia, foram contratados pelo Shopping Venâncio 2000. Nessa época, resolveram organizarem-se empresa e criaram a marca SPRINK.

O Corpo de Bombeiros, há mais de cem anos de acordo com seus arquivos, já possuía em seus quadros estudiosos sobre posturas preventivas, visando propor legislações que melhorassem a segurança contra incêndio no país, o que, entretanto, não logravam devido ao poder das entidades privadas que agiam para impedi-las. Além do que, aqueles dedicados colaboradores, não possuíam instrução superior para ombrearem-se aos seus opositores.

O Governador do Rio de Janeiro, um Militar nomeado pela Presidência da República para administrar o Estado, preocupado com aquelas seguidas tragédias consultou a Corporação sobre o que se poderia fazer e, mais uma vez, a providência agiu: – os Fundadores da SPRINK estavam no lugar certo, na hora certa. Na qualidade de Oficiais Bombeiros, formados em engenharia, estudiosos da matéria, experientes projetistas e acostumados a debates apresentaram ao Governador o projeto de um Código e Segurança Contra Incêndio e Pânico que já vinham discutindo na Corporação, o qual foi aceito integralmente, tornando-se o primeiro Código a ser instituído no Brasil, sendo usado como base para as legislações que se seguiram por todos os estados da federação, como numa cinemática de dominó.

A Administração da CEF-RJ, cujo edifício havia sido completamente destruído pelo fogo, também foi buscar na Corporação uma assessoria para a reconstrução do prédio, buscando adaptá-lo as modernas técnicas de Prevenção Contra Incêndio e, providencialmente, saíram com aqueles que seriam os fundadores da SPRINK. O resultado foi um sucesso e ao, final da obras, formaram e treinaram uma Brigada Voluntária para prevenção daquele patrimônio.

Apesar de bem formada, a Brigada Voluntária não logrou sucesso porque seus integrantes, por necessidade operacionais internas, eram constantemente transferidos e, portanto, não conseguiam manter um padrão confiável.

A Administração do Edifício CEF resolveu, então, fazer uma licitação para contratar uma empresa especializada, nos moldes das que existiam para as Guardas de Segurança Patrimonial. A SPRINK venceu a concorrência e, assim, implantou a primeira Brigada de Incêndio, que acabou por tornar-se referência para todo o País, criando a profissão de Bombeiro Profissional Civil que, atualmente emprega milhares de profissionais em todo o País, sendo que, só na SPRINK são cerca de 2.500 colaboradores, prestando inestimáveis benefícios para a Sociedade.

Os fundadores da SPRINK, pelo seu protagonismo técnico no Corpo de Bombeiros, eram naturalmente escalados para constituírem Grupos de Trabalho, dentro e fora da Corporação, inclusive em reuniões da Associação Brasileira de Normas Técnicas/ABNT, para elaboração de Normas, granjeado respeitabilidade e relacionamento com pessoas do segmento de segurança em geral.

Em suas atividades profissionais, nossos fundadores adquiriram experiência sobre acidentes com produtos contaminantes e poluentes, que hoje em dia transmitem aos seus colaboradores, buscando nos países mais adiantados as mais modernas técnicas de prevenção e mitigação. Foram eles os primeiros, ainda antes da inauguração da Usina Atômica de Angra dos Reis, a buscarem treinamento de descontaminação radioativa. Muitos anos depois foram chamados a implantar na NUCLEBRAS primeira Brigada Especializada em Indústria Nuclear.

Em decorrência de seu protagonismo, foram convidados para integrarem aquela que seria a primeira turma de Engenheiros Especialistas de Segurança no Trabalho da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Naquela turma, compostas só por especialistas de seus segmentos, transmitia-se uns aos outros os conhecimentos de que eram detentores, cristalizando-se ali a consciência do País possuir uma forte política de Segurança no Trabalho. Assim, aquele Grupo decidiu fundar a Sociedade Brasileira de Segurança no Trabalho – SOBES, ainda hoje importante fórum de fomento do segmento.

Com a criação do novo Estado do Rio de Janeiro, em fusão com a antiga Guanabara, os Fundadores da SPRINK foram mais uma vez separados. Por suas condições de Engenheiros Civis foram transferidos para o interior do Estado para implantarem novos quartéis e, paralelamente, implantar a nova legislação de Prevenção Contra Incêndio e Pânico.

Com suas saídas da capital do Estado, Maurice, Panno e Albucacys, que eram quem elaboravam os projetos de seu escritório, tiveram que treinar e colocar substitutos em seus lugares e, assim, colocaram seus irmãos, também Engenheiros, Ricardo Ortiz, Julio Manso e Hélio Panno. O que a princípio parecia ser o fim de suas atuações, na verdade, tornou-se a alavancagem dos negócios, pois enquanto trabalhavam não dispunham de tempo para divulgarem a empresa e entrarem em novos negócios.

A empresa, que já era a maior projetista do País, hoje com cerca de 30.000 projetos aprovado, tornou-se também a maior instaladora de Sprinklers e Detectores instalando centena de milhares de pontos, principalmente em Shopping Centers, onde se tornou referência, implantando soluções técnicas que melhoraram a eficácia dos sistemas e uma manutenção mais econômica.

A SPRINK também foi pioneira nos Resgates em Estradas, implantando equipes altamente especializadas na BR-040, introduzindo equipamentos e rotinas que seus fundadores haviam implantados no Corpo de Bombeiros, com técnicas trazidas da Europa, colocando aquele serviço como referência para todo o Brasil.

No Corpo de Bombeiros, os fundadores da SPRINK sempre mantiveram seu protagonismo introduzindo propostas inovadoras. O então Tenente Coronel Panno em uma viajem de estudos à Europa, juntamente com o Tenente Coronel Ortiz, irmão do Tenente Coronel Maurice, trouxe para a Corporação a proposta da criação de um Serviço de Resgate de Emergência por Ambulâncias com Médicos Bombeiros, proposta pela qual lutaram anos até que conseguiram implantar. Havia uma resistência interna da Oficialidade em aceitar o novo serviço e, então, o Tenente Coronel Maurice, que comandava o maior Grupamento da Corporação, resolveu implantar a primeira unidade, cuja repercussão positiva junto a sociedade civil e imprensa facilitou o restante da implantação. O projeto alcançou tal sucesso que foi rapidamente copiado por todos os Estados da Federação, numa nova cinemática de Dominó.

O Coronel Albucacys foi o primeiro dos três a ser promovido ao Posto máximo da Corporação – O mais jovem oficial a ser promovido a Coronel. Começava, assim, um novo projeto do Grupo: – Alcançarem o Comando Geral da Corporação. Os Tenentes Coronel Maurice e Panno encarregam-se da missão de aproximação e convencimento do nome de Albucacys junto a equipe do novo Governador, o que cumpriram com sucesso. O Coronel Albucacys tornou-se o mais jovem Oficial a Comandar a Corporação e tornar-se Secretário de Estado da Defesa Civil.

Agora com Albucacys como Comandante Geral, o Coronel Panno como seu Chefe de Gabinete e o Coronel Maurice como Diretor Geral de Administração, cuidaram de equipar a Corporação com os mais modernos equipamentos, bombas de Incêndio modernas e de altas potências e Ambulâncias com equipamentos sofisticados. Introduziram o uso de Helicóptero de Resgate e Extratores pneumáticos para resgate de vítimas, além de mangueiras em quantidades e qualidade nunca antes adquiridas. Além de conseguir do Governo Federal isenção de impostos para os equipamentos de Bombeiros, Albucacys, entre outras intervenções, visando o futuro implantou a Unidade Especializada em Meio Ambiente, o Grupamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente – GSFMA.

Outro projeto de sucesso nacional no Comando de Albucacys, foi a Organização do Primeiro Seminário Nacional de Bombeiros – SENABOM, que congregou Bombeiros de todo o Brasil com a apresentação, pela primeira vez, de especialistas internacionais. Naquela época somente o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro era uma Corporação Independente. Os Bombeiros do Rio eram Bombeiros mesmos, enquanto nos demais Estados os Bombeiros pertenciam a Polícia Militar, eram Bombeiros travestidos de Policiais. Naquele evento plantaram a semente da independência das Corporações, a qual foi tão bem feita que nos anos que se seguiram, em quase todo o Brasil, o Bombeiros conseguiram suas independências.

Com a passagem dos três Fundadores para a Reserva da Corporação, voltaram a assumir a direção da SPRINK e, em pouco tempo, triplicaram o tamanho da empresa. Visaram o segmento de Oil&Gas e, contra aconselhamentos gerais, participaram e venceram licitações começando a prestar serviço para a Petrobras.

Na base da Petrobras em Macaé, após contratados e terem concluírem uma enorme instalação de prevenção de incêndio composta de uma rede industrial de hidrantes de incêndio, detectores, para-raios e extintores, a empresa venceu uma licitação pra fornecimento de Serviços de Brigada de Incêndio. No dia de sua apresentação, numa intervenção inesperada e providencial, o Gerente Geral resolveu assistir a apresentação dada por seus Diretores/Fundadores. Após ouvir as qualificações da empresa e percebendo suas expertises em Segurança no Trabalho e Meio Ambiente, aquele Diretor anunciou que a SPRINK não iria prestar Serviços de Brigada e sim, de Segurança Industrial. Juntamente com as atividades de prevenção e combate a incêndio assumiria as atividades de Segurança, Meio Ambiente e Saúde/SMS, inclusive prestando atividades de abertura de Permissão de Trabalho – PT. – Também na Petrobras a SPRINK se tornou referência.

Ao prestar serviços para a Petrobras e Transpetro, a SPRINK encontrou nelas os clientes ideais para poder demonstrar e desenvolver toda sua potencialidade e qualificação, recebendo excelentes avaliações e premiações, ombreando-se às maiores empresas do Brasil. Atualmente, entre outros, presta serviços de “Oil Spill Response” mitigando acidentes poluidores. Prestando serviços para tão exigentes clientes a SPRINK decidiu investir em qualificação se tornando a primeira empresa do segmento obter Certificações de Formação de Brigadas/Prestação de Serviços de Bombeiro Civil NBR ISO 9001/2008 e Prestação de Serviços de Segurança Industrial e Combate a Incêndio NBR ISO 9001/2008, 1400/2004, e OHSAS 180001/2007, emitidas pela ABNT.

Com as privatizações dos aeroportos pela INFRAERO, a SPRINK também passou a atender também aquele segmento ficando com a responsabilidade por três aeroportos, sendo que no de Aracaju a equipe chegou a intervir com total sucesso em uma aeronave de passageiros que pousava em chamas.

Uma das novas tecnologias que a empresa está oferecendo é o serviço de monitoramento por Drones, com pessoal treinado pelo Conselho Regional de Engenharia – CREA e Certificado pela ANATEL e ANVISA. Na área de Oil&Gas é utilizado para monitoramento de derramamentos de óleo acompanhando o tamanho, a coloração e a velocidade de seu deslocamento. Também é empregado preventivamente no monitoramento de grandes plantas industriais e incêndios florestais.

A SPRINK tinha sua área de atuação basicamente limitada ao Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, embora, eventualmente prestasse serviço em outras regiões, até que a empresa de Telecomunicações Oi, devido a um incêndio ocorrido no Estado da Bahia, resolveu contratar uma única empresa que atendesse em todo o Brasil, facilitando a administração e controle dos serviços de Brigada. A SPRINK venceu a licitação e passou a ter Postos em todo Brasil, tornando-se a única com essa capacidade operacional.

Para administrar mais de 2.500 colaboradores em todo o País a empresa desenvolveu um sistema próprio, o Gerenciamento de Dados Sprink – GDS, mantendo-se informada 24 horas por dia, conectada com seu colabores através de aplicativos – APPs. Os dados colhidos vão para softwares na SPRINK e clientes sendo, então, transformados em estatísticas e analisados para aperfeiçoamento das rotinas e procedimentos. Há mais de vinte anos a empresa mantém estatísticas de suas intervenções conseguindo interpretar os mais variados tipos de atuação, como combate a incêndio, prevenções e primeiros socorros, podendo ainda identificar suas incidências pela destinação das edificações, público e horários, constituindo um banco de dados único no País.

Atualmente, qualquer evento, princípio de incêndio, acidente ou emergência médica é imediatamente transmitida para a Sede da empresa, analisada por experts e, se necessário, restransmitida com recomendações. Os clientes também recebem as informações, podendo, ainda entrarem no sistema e terem acesso as suas estatísticas avaliando a qualidade e importância dos serviços.

O último projeto da empresa, em andamento, é a criação da UNIVERSIDADE SPRINK que será implantada em seu novo Centro de Treinamento.

Enfim, a família SPRINK nasceu, transmitiu e cresceu com o DNA dos Bombeiros, o DNA daqueles que “vão e resolvem”.